Siga-nos Twitter Facebook Instagram
Mercado de motos usadas mantém ritmo e modelos de alta cilindradas se destacam
news
Foto: Divulgação

29/10/2012
De acordo com a Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotivos), nos primeiros sete meses do ano, foram feitas 1.325.185 negociações com modelos usados, correspondente a uma moto e meia para cada 0km”. No mês de julho foi 202.411 motos usadas comercializadas, um aumento de 5,13% referente a julho do ano passado.

Porém... Os bancos não financiam nenhuma moto com ano inferior a 2010. Está mais fácil comprar um apartamento do que comprar uma moto, comenta Agenor Mário, gerente da concessionária Yamais, da Yamaha, que fica na Zona Norte da capital paulista. Os bancos pedem 20, 30 ou até 40% de entrada, dependendo da situação financeira do consumidor, comenta Milton Ayabe, gerente do segmento Dream da concessionária Honda Comstar, na Zona Sul de São Paulo.

Hoje, a inadimplência do setor automotivo como um todo [incluindo carros, motos e caminhões] é de 6,9%, sendo que mais de 50% desse montante se refere ao segmento de duas rodas, afirma Alarico Assumpção Júnior, presidente executivo da Fenabrave, comentando ainda que a retração é reflexo da inadimplência proveniente de liberações de crédito mais antigas.

Alta cilindrada é opção

Quem está pensando em vender sua moto de baixa cilindrada e vislumbra fazer um grande negócio na compra de um modelo semelhante, porém mais novo, também deve ir com cautela. Aqui nós pagamos de 25% a 28% menos do que o valor de tabela [Fipe] para motos de baixa cilindrada de outras marcas e 23% menos para motos de baixa cilindrada da Honda, diz Milton Ayabe. Segundo o gerente da revenda Honda, quando a moto negociada foi comprada zero na concessionária e teve serviços feitos na própria revenda, existe uma valorização maior. Quando o cliente comprou e fez todas as revisões da moto aqui, nós temos todo o histórico dela no sistema e isso facilita para revendê–la, explica.

Já para as motos de alta cilindrada, o mercado de semi–novas é bom negócio. Eu passei a me concentrar nas motos de maior valor agregado para aumentar a lucratividade, comenta Humberto Cury, consultor de vendas da B & G Motos, revenda multimarcas de São Paulo. Para ele, as taxas menores para compra de motos acima de 600cc são uma boa opção para quem está indo em busca de sua primeira moto de maior porte e potência. É o momento de subir de categoria e realizar um sonho, finaliza Cury, que reitera a preferência dos bancos por modelos que sejam até 2010 e exigem 30% de entrada no mínimo.

A baixa desvalorização dos modelos maiores na hora da revenda também faz deles um bom investimento. Para motos acima de 600cc nós conseguimos pagar mais. Em média, nós pagamos 23% menos do que o valor da tabela e 20% se for Honda, diz Milton Ayabe, da Comstar. Segundo ele, a compra de motos grandes semi–novas passou a ser subsidiada pela marca, o que já é uma ajuda. De um mês para cá, o Banco Honda está financiando motos com mais de 600cc, mas com entrada de 40%, comenta.

Saiba comprar a sua usada

Para aqueles que resolveram aproveitar o momento para adquirir uma motocicleta semi–nova, seja ela de baixa ou alta cilindrada, de uma concessionária multimarcas, alguns cuidados podem evitar futuras dores de cabeça. É importante exigir que a moto esteja no nome da loja. Isso impede que o veículo esteja envolvido em algum processo de pendência judicial, como um divórcio ou ação trabalhista, por exemplo, e não possa ser passado para o nome do comprador, orienta Humberto Cury, da B &G. A revenda também deve fornecer documentação específica. O cliente não deve abrir mão da Nota Fiscal, Laudo Pericial e do certificado de garantia fornecidos pela loja, completa. Vale lembrar que os documentos atestam a integridade das partes mecânicas da moto e costumam ser pedidos por financeiras e administradoras de consórcio para os processos de alienação.





Fonte:Imotos

Imprimir Link: Compartilhar:
topo
topo
SOLUÇÕES
Sport
Street
Custom
Triciclo
Entre em contato


(11) 2317.3388
Segunda a sexta
8h00 às 17:45h
Campanhas
100% Nacional Campanha Basta!